• LinkedIn Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon
  • Instagram Social Icon

Pesquisador compartilha experiência de pesquisa aos pós graduandos em História Local

24.08.2019

Em 1848 um crime abalou a cidade de Areia e repercutiu na Paraíba inteira: o assassinato do vice governador da província, Trajano Chacon. A acusada de sua morte foi uma viúva que morava a pouco tempo na cidade e que ali vivia em mancebia com o comandante da Guarda Nacional local. Carlota Lúcia de Brito foi condenada à forca pelo crime, juntamente com o Major Quincas e, em apelação da sentença, teve a pena revertida para prisão perpétua, a ser cumprida no presídio da ilha de Fernando de Noronha.

Conhecendo a história dos relatos de Horácio de Almeida, desde criança o historiador Mario Vinicius Carneiros Medeiros, da UFPB, nutria questionamentos acerca do destino da infeliz mulher. Voltar à terra de seu pai, no brejo paraibano, foi um incentivo para iniciar uma trajetória de pesquisa que durou nove anos, e cuja territorialidade ultrapassou as fronteiras dos arquivos da Paraíba,  Pernambuco e  Rio de Janeiro.

Mario Vinicius apresentou aos integrantes do curso de especialização do NUPEHL a trajetória desenvolvida em busca de fontes das mais diversas naturezas para dar respostas à problematização inicial de sua pesquisa, que resultou num livro cativante aos amantes da história, sejam leigos ou profissionais. Em narrativa agradável e emoldurada pelos registros de suas experiências em busca de fontes, proporcionou verdadeira aula aos iniciantes da pesquisa histórica, num momento ímpar.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  POSTS recentes  
Please reload